Abrig Debate: Rodrigo Maia pretende retomar votação do PL 1202/2007

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi o convidado desta segunda-feira (2) do Abrig Debate, evento promovido pela Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais que contou com a participação de 75 empresários, entre eles um grupo de chineses e outro de franceses.

Rodrigo Maia aproveitou a oportunidade para anunciar que pretende retomar a votação do PL 1202/2007, que  regulamenta a atividade de Relações Institucionais e Governamentais (RIG). A proposta está pronta para ser votada pelo Plenário da Casa desde 2017.

Durante o Abrig Debate, Rodrigo Maia defendeu que é preciso reduzir as despesas para que os setores públicos e privado voltem a investir.  Para ele, a reforma administrativa deve ser prioritária no momento para tornar possível uma reforma tributária. Na avaliação de Maia, só com segurança jurídica e as reformas da Previdência e a administrativa, que reduziria as despesas, será possível fazer a economia voltar a crescer.

Os chineses destacaram a importância dos investimentos em segurança pública e os franceses destacaram que: França lidera ranking de investimento estrangeiro no Brasil no segundo trimestre do ano.

Confira os principais trechos da coletiva do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia:

Abrig Debate

“Viemos falar sobre conjuntura, sobre o futuro do Brasil, os projetos que estão na Câmara. Falar sobre o que a gente tem feito e o que pretendemos fazer nos próximos meses na Câmara dos Deputados.”

DataFolha/Bolsonaro

“Acho que a avaliação e a comparação é uma coisa que a gente tem que tomar cuidado em fazê-la porque são ciclos diferentes. Você está pegando um ciclo muito polarizado, um início de ciclo agora com a vitória do Bolsonaro muito polarizado, então você compara com o início do governo Dilma aonde ela pegou todo o crédito do presidente Lula, a eleição do presidente Fernando Henrique com o Plano Real. Nós vivemos uma crise social, econômica e uma polarização que vem através das redes sociais, tal qual o presidente faz parte delas. Então, quando ele trabalha com a polarização é natural que ele fique com um segmento da sociedade e não tenha o outro. Uma parte da sociedade votou contra o PT na eleição. É natural que ele vá perdendo esse apoio, já que o processo político brasileiro, e é uma forma dele atuar também, é uma equação polarizada. Então, por isso acho que tem que se tomar muito cuidado em avaliar o apoio ou não apoio para a gente comparar com outros períodos do  presidente Bolsonaro. Agora fica claro que na linha que o governo vem atuando, o governo vai ficar nitidamente com esse núcleo de mais a direita contra mais a esquerda e vai ficar um eixo aqui no meio, um campo aqui no meio que vai precisar ser ocupado pela política.”

Vetos ao projeto sobre abuso de poder

“Acho que essa separação entre os Poderes é importante que fique muito clara. Cada um tem o direito de cumprir suas funções constitucionais. A função constitucional do presidente é sancionar ou vetar e a função do parlamento é manter ou derrubar o veto. Não tem problema que ele vete. O que precisa é que cada instituição do regime democrático seja respeitado. Só isso.”

Reforma tributária

“Nós apresentamos a nossa PEC à proposta de reforma tributária antes do governo está engajado. O governo tá engajado, o Senado tá engajado também. Vamos unificar os dois poderes do Legislativo, mais o governo e vamos construir uma reforma tributária que independente da onde comece, ela represente os anseios da sociedade. No primeiro momento, a simplificação do sistema tributário. Ninguém aguenta mais essa confusão tributária. E num segundo momento, com a reforma previdenciária, a reforma do Estado, a reforma administrativa, dos recursos humanos, a gente possa trabalhar na redução da carga tributária. Um passo de cada vez. Todo mundo tem a mesma proposta. Todas as propostas tem um núcleo único que é a simplificação do sistema. O importante é que Câmara, Senado e o governo estejam juntos já que todo mundo quer o IVA. O Paulo [Guedes] quer o IVA com uma redução de custo na contratação da mão de obra com uma CPMF. Será que é necessário ou não essa CPMF? Vamos esperar o governo encaminhar a proposta e vamos avaliar todas as propostas em conjunto dialogando com o relator no Senado, o Roberto, dialogando com o presidente do Senado. A gente quer é aprovar uma proposta de reforma tributária independente de qual será das duas Casas que aprove primeiro. O importante é que o governo tem uma proposta. A gente precisa que o governo encaminhe uma proposta. Eu acho que esse é o único pleito que a Câmara faz.”

Custo Brasil

“O Brasil custa em mão de obra e previdência 80% de tudo que os brasileiros pagam de impostos pros três entes. O Chile, como já disse algumas vezes, custa 43 e México com 45. Você vê que o Brasil é caro pro cidadão. Custa muito, a máquina pública absorve muito do que arrecada e devolve pouco a sociedade. O sistema está todo distorcido, uma carga tributária enorme para um país muito desigual. Poderia ser correto se esses recursos não financiassem esse custo dessa máquina pública que é tão alta e se esse recursos tivessem indo de forma mais concentrada para as mãos dos brasileiros que mais precisam.”

Reforma Administrativa

Para mim, [reforma administrativa] é prioridade número um. Sem você reduzir o tamanho do Estado, você não reduz carga tributária.

Sessão onerosa

“Acho que tem que aprovar. É importante para o Rio porque é um setor que vai produzir mais. A distribuição dos recursos feita pelo Senado, os deputados do Rio, senadores querem fazer uma discussão. Toda sessão onerosa é aqui no Rio de Janeiro. Se não fizer em novembro, faz em janeiro. Qual o problema? O que não pode é o Rio sair prejudicado na distribuição do dinheiro que o governo vai distribuir para prefeitos e governadores. Só isso. Acho que vai avançar.”

Eleições para a prefeitura RJ

“O DEM não pode avançar no diálogo com o Crivella se pretende ter candidato a prefeito. Seria um desrespeito ao prefeito a gente participar do governo e depois ter candidato a prefeito. O DEM tem muitos nomes que podem disputar a prefeitura do Rio. Os dois ex-prefeitos do Rio. Tem o deputado Caiado que também pretende. Nós temos muitos nomes que podem disputar a prefeitura. Por isso, acho que o DEM não deva participar nesse momento do governo do Crivella. Se nós pretendemos ter um projeto de fortalecimento do partido, precisa disputar essa eleição primeiro, eleger um número grande de vereadores. Agora em relação ao estado, estamos trabalhando uma aproximação junto ao governador Witzel.”

Estabilidade no serviço público

“Eu acho ruim você tirar a estabilidade de quem já entrou com essa regra. Tem gente que diz que essa é uma discussão que precisa ser feita e que não necessariamente a estabilidade está garantida para trás. Mas, eu defendo para que a gente tenha uma reforma administrativa mais rápida, que chegue aos nosso objetivos, é que a gente não deveria olhar para trás,  a gente deveria olhar só para o futuro.”

Recursos para a Amazônia

“Estamos esperando a resposta do ministro [STF] Alexandre Morais. Falei com a bancada do agronegócio que estou disposto a visitar outros parlamentos aqui na região ou na Europa. Mas, na quarta a gente faz uma comissão geral para debater o tema. Já estava anunciado desde a semana passada. Devemos votar um projeto amanhã nessa linha. O deputado Rodrigo Agostinho e a bancada do agronegócio estão negociando um projeto que sinalize de forma objetiva que o parlamento brasileiro, todas as bancadas, inclusive o agronegócio, não defende de forma nenhuma o desmatamento.”

Demarcação de terras indígenas

“Esse assunto não vai entrar agora. Eu avisei aos deputados que não é um tema simples de ser debatido. Nesse momento, acho que a gente tá criando uma polêmica desnecessária ao Brasil.”

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked*