COP 26 - A diversidade em meio às discussões ambientais

Entre filas enormes, culturas diversas, muitos idiomas e dialetos, protestos coordenados pela nova geração, palestras institucionais e acordos governamentais da velha geração sendo tratados em salas exclusivas, confesso que esse dia da COP26 foi marcado por muita diversidade de trajes, costumes e linguagens, mas a certeza de uma única voz nos discursos e defesa de um interesse comum e genuíno: Todos pelo mesmo propósito ambiental, todos buscando à sua maneira a redução das emissões de CO2. Veja no prática muitos interesses em agir pelo #TogetherForOurPlanet.

Está muito em linha com ESG, qualquer palestra que assistimos, confirmamos que há um discurso em linha com o que se quer praticar.


Como a sexta-feira dia 5 de Novembro foi reservada para a juventude e o empoderamento público na COP26,  para marcar o dia, a ativista jovem Greta Thunberg liderou manifestantes marchando por Glasgow como parte do movimento Fridays for Future. Essa movimentação culminou numa massa de mais de 10 mil participantes na George Square, elevando a voz de jovens e demonstrando o papel crítico dos participantes e empoderamento e educação pelo clima.


Um outro aspecto que tem chamado atenção é a presença do Brasil, numa área relevante fisicamente com foco na Amazônia, que recuperou bastante a imagem do país. E nesse capítulo os indígenas ganharam vitrine, voz e fundos inéditos e se reuniram pela primeira vez  com chefes de estados. E nesse sentido destaco o grupo de representantes de mais de cem países, entre eles Brasil, na assinatura do acordo para proteção de florestas que tem como meta zerar o desmatamento no mundo até 2030. O chamado Forest Deal foi negociado durante a COP26, e agora precisamos acompanhar  os desdobramentos para ver acontecer na prática essas ações.


E, enquanto ocorre a Conferência desse lado em Glasgow, aqui na Escócia, acompanhamos todos o Senado do Brasil aprovar o projeto de lei que atualiza a Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC) ao contexto do Acordo de Paris. De acordo com a proposta, o Brasil vai neutralizar 100% das emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2050. E esse é o grande tema desses dias, em especial  nesse sábado no Nature Day.


Aproveito para compartilhar com todos que querem acompanhar por dentro da Conferência, direto da  Blue Zone, a transmissão da RTCC’s Climate Change TV channel traz alguns diálogos na pauta do evento. Seguimos por mais alguns dias entre ativistas e importantes decisões, que buscam manter o aquecimento global abaixo de 1,5 grau celcius. E nessa sexta o desmatamento terá foco na agenda. 


Comitê de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Abrig


Roberto Monteiro - Diretor de Comunicação e Relações Institucionais da SPIC Brasil. 


** Os artigos/entrevistas publicados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista da Abrig.