COP 26 - Iniciam-se os trabalhos, articulações e compromissos

O desafio da COP 26 se iniciou ontem (31/10), sob uma profusão de notícias, matérias, diagnósticos, prognósticos e perspectivas sobre os principais temas como mercado de carbono, desmatamento, conservação e preservação, energia limpa, desenvolvimento econômico, aquecimento global, todos esses assunto sob o principal, mudanças climáticas que afetam o planeta.


A situação é muito complexa e demandará dos técnicos, comitivas e lideranças políticas e econômicas, direta e indiretamente envolvidas o exercício pleno de pelo menos 04 competências primordiais: capacidade de negociação, adaptabilidade, empatia e capacidade de execução de acordos factíveis.


De todas as questões que envolvem o desenvolvimento econômico, o entendimento que doravante os aspectos relativos aos fatores de produção se modificaram, ou utilizando um racional darwinista, evoluíram estruturalmente no sentido de promover as condições de sobrevivência dos seres humanos neste planeta. 


Países e seus respectivos setores tradicionais, baseados na exploração e/ou no uso de recursos naturais precisarão compreender que a sustentabilidade, a tecnologia e inovação e a melhoria das condições de vida humana são aspectos fundamentais para balizar o emprego dos fatores de produção na economia, ou provavelmente não teremos mais nada, nem seres humanos. 


Obviamente, como esta situação somente se realizará de forma a desequilibrar estruturalmente o planeta daqui alguns anos e a maior parte de nós não estaremos vivos, precisamos executar a competência da empatia para as novas gerações que estão nascendo ou as futuras que ainda virão.

Comitê de Meio Ambiente e Sustentabilidade Abrig


** Os artigos/entrevistas publicados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista da Abrig.